Temas

Musica Ilhavo Recreativo Ilhavo Antigo Ilhavenses Ilustres Lugares Carnaval Costa Nova Curiosidades Religiao Bombeiros de Ílhavo Illiabum Colegio Jornais Ílhavo Semana Santa Ilhavo
João Marques Ramalheira
In "Canção do Mar"
Falar de Ílhavo, é falar do mar - do seu sussurro, da sua canção cujo eco se repercute pelos séculos além. Ílhavo e o mar andam tão unidos como o perfume às rosas e a inquietação à alma humana!

Anterior

Recordações

S. Gonçalo

S. GONÇALO

CIMO DE VILA

9 de Janeiro 

Imagem de S. Gonçalo pertencente à Capela das Almas que, depois de demolida a 13 de Fevereiro de 1911, andou perdida, sendo colocada em 1950, restaurada, na Capela de N.S. do Pranto

Da Revista "A Galeota":

(A cena representa o Largo do Oitão. Um grupo de rapazes atravessa a cena e pára um pouco, cantando. Desse grupo fazem parte Horácio e Aníbal que resolvem ficar, não acompanhando os outros. Enquanto o grupo canta, entra um miúdo , Alfredo, um pouco estranho, fitando os outros.)


No dia de S. Gonçalo
Tudo canta minha gente
Canta o Pedro e o Marçalo
O Artur mai-lo Vicente.

Oh, oh que festa
Oh que alegria
A nossa malta
Só quer folia.

Oh, oh que festa
Oh que pagode
Chora quem quer
E ri quem pode.

Neste dia o rapazio
Sai de lata em punho armado
Em berreiro maltezio
Pondo o burgo alvoroçado.

Era assim o enquadramento da Marcha de S. Gonçalo na "Galeota", com música de Guilhermino Ramalheira, estreada a 1 de Dezembro de 1934 (sábado) no Teatro Municipal em Cimo de Vila.

Antigamente era sempre tradição festejar o S. Gonçalo na Capela de N.S. do Pranto em Cimo de Vila. A primeira referencia que encontramos a estes festejos remontam a 1943, com novena acompanhada a órgão pelo reverendo padre José Paradela (dia 9) e missa solene a grande instrumental pela orquestra da Filarmónica Ilhavense, pregando ao evangelho o reverendo reitor de Sosa padre Áureo de Figueiredo (dia 10).

Padre José Paradela

Mais tarde, e a partir de 1955, surgem novas referências aos festejos, desta vez já com procissão e na entrega dos ramos aos novos mordomos, a Música Velha tocou e cantou a Marcha de S. Gonçalo. Foi Juiz da festa de 1955, o saudoso Adamastor da Silva, acompanhado por  Alexandre Ré, grandes entusiastas destes festejos. A última referência data de 1978.

Adamastor da Silva

   
Alexandre Ré
   

Próximo

Os nossos primeiros professores