Temas

Musica Ilhavo Recreativo Ilhavo Antigo Ilhavenses Ilustres Lugares Curiosidades Carnaval Costa Nova Religiao Illiabum Colegio Bombeiros de Ílhavo Jornais Jazz Radio
João Marques Ramalheira
In "Canção do Mar"
Falar de Ílhavo, é falar do mar - do seu sussurro, da sua canção cujo eco se repercute pelos séculos além. Ílhavo e o mar andam tão unidos como o perfume às rosas e a inquietação à alma humana!

Anterior

Grupo do Colégio de Ílhavo 3?(...)

Grande Festa do Tejo 1947

(fotos de Zeca Vinagre e Marília Teles)

ÍLHAVO NA GRANDE FESTA DO TEJO

29 de Junho de 1947

Integrada no programa oficial das comemorações do VIII Centenário da Tomada de Lisboa aos Mouros, uma comitiva Ilhavense composta por 168 pessoas, desfilou pelas ruas da capital. O grupo deslocou-se de comboio que partiu de Aveiro à meia-noite, chegando a Lisboa pelas 7 horas da manhã. O desfile iniciou-se às 18 horas percorrendo as principais ruas da baixa pombalina. Incorporaram-se neste cortejo cerca de 7 000 pessoas, com 1 000 fachos luminosos, 400 bandeiras, 9 bandas de música e 9 carros alegóricos, um dos quais era o brasão de armas da nossa terra. O grupo ia entoando “A Capital”, marcha com música de Guilhermino Ramalheira, “Ninfas da Ria” (balada), do mesmo autor e as marchas “Salineiras” e “Ílhavo” de João da Madalena. Os poemas foram escritos pelo prof. José Pereira Teles.

A nossa representação abria com com uma linda caravela fenícia, toda iluminada, levando dentro 4 marinheiros vestidos a rigor. No mar, 4 meninas significando as ninfas e as nereidas. A seguir uma menina Ilhavense representando Ílhavo e ladeada por duas damas de honor. As bandeiras do município, dos oficiais da marinha mercante e dos marinheiros, vinham logo a seguir. Depois 6 pescadeiras com seus pares e seis salineiras também com seus pares, as tricanas antigas com seus capotes e mantilhas, chailes de rica e antiga tecelagem e vistosas ramadas e seus cadilhos de varias cores. Lenços de bobiné e chapéus antigos, blusas de antigamente. Faziam par os marinheiros antigos com casaco e calça de oleado, botas altas e sueste na cabeça. Seguidamente as tricanas da época com os marinheiros de camisola azul ou branca, boné de pala, bota alta de borracha. A terminar os tripulantes do barco moliceiro e do barco do mar. Ao passarem no Terreiro do Paço, todo o grupo Ilhavense foi alvo de uma ovação sem igual. Na Av. Da Liberdade fizeram-se marcações com as “Ninfas da Ria” e “Salineiras”. O conjunto musical era composto por João Vidal, Carlos da Silva, Olímpio Correia, Frederico Silva, José Luís Mano Dias, João Álvaro Torrão, Manuel Imaginário, Maximino, Mário Moreira, Herculano Mouro, Benjamim Rocha, Manuel Vidal, Raul Vilela, António Bio, Quintino Teles, José Canteiro, Samuel Vieira, António Quinta Nova, António Palhetas, Manuel Marques e Emídio Silva.

Próximo

Inauguração Estátua D. Man(...)