Temas

Musica Ilhavo Recreativo Ilhavo Antigo Ilhavenses Ilustres Lugares Curiosidades Carnaval Costa Nova Religiao Illiabum Colegio Bombeiros de Ílhavo Jornais Jazz Radio
João Marques Ramalheira
In "Canção do Mar"
Falar de Ílhavo, é falar do mar - do seu sussurro, da sua canção cujo eco se repercute pelos séculos além. Ílhavo e o mar andam tão unidos como o perfume às rosas e a inquietação à alma humana!

Anterior

Inauguração do Bairro dos Pes(...)

Como nasceu a Praia da Costa Nova

Temas:  #Costa Nova

Antiga Av. Marginal junto à estátua de Arrais Ançã

Uma Costa Nova denuncia a existência de uma Costa Velha. Documentos históricos relatam que os pescadores de Ílhavo estabeleceram suas Companhas de pesca do alto mar na Costa do Norte, em São Jacinto. A abertura da Barra Nova de Aveiro em 3 de Abril de 1808, barra artificial, foi, pela sua má localização, a causa do assoreamento da orla marítima da praia de São Jacinto, verdadeira calamidade que obrigou as Companhas de Ílhavo a transferir os seus assentos para as areias ao Sul do paredão da Barra, pois ali se tornava impraticável o exercício da pesca.


Antiga Mota

Desta emergência do abandono da Costa Velha pelas Companhas dos pescadores de Ílhavo surgiu, para estas, a imperiosa necessidade de procurarem sítio adequado onde pudessem trabalhar. O ilhavense Luís dos Santos Barreto foi o primeiro arrais a deixar a assoreada Costa do Norte e a estabelecer-se na Costa do Sul, assento da sua Companha, cujo local já tinha de antemão escolhido e que designou com o nome de Costa Nova, que, afinal, era um Enclave, pois esta zona não pertencia a Ílhavo.
Toda a orla marítima entre Ovar e Mira era pertença territorial e exclusiva do concelho de Ovar. Só em 1855, um decreto de 24 de Outubro, anexou ao domínio dos concelhos da Feira, Ovar, Estarreja, Aveiro, Ílhavo e Vagos, a faixa litoral marítima confinante com a terra firme pertencente a cada um destes seis concelhos.


O sul da Av. da Belavista

Assim, a costa oceânica e terrenos ao sul do paredão da Barra Nova, até ao encontro de uma linha tirada na direcção nascente poente, desde a Foz da Ribeira dos Cardaes até ao mar, passaram a ser pertença do concelho de Ílhavo. Logo, a povoação da Costa, desde 1808 a 1855, formada em terreno não integrado no domínio de Ílhavo, constituiu um verdadeiro Enclave, fundado por Luís dos Santos Barreto. Outras Companhas de Ílhavo seguiram o exemplo deste arrais e deslocaram-se para a Costa Nova, abandonando a costa velha de São Jacinto. Num breve lapso de tempo encontraram-se neste Enclave a Companha do Salvador, do Arrais José Fernandes Patata, a Companha dos Capotes do Arrais Marçalo Francisco Capote e a Companha do Galo do Arrais Manuel Fernandes Bagão.
Começaram primeiro por construir os palheiros na borda do mar para guarda de todo o artesanato piscatório. A permanência destas Companhas despoletou a criação da população deste Enclave, constituído por milhares de pescadores com as suas mulheres e filhos e pelos indivíduos com interesses ligados ao comércio e indústria das pescarias.
Junto da margem esquerda da ria de Mira alinharam-se em graciosa curva os primeiros palheiros para habitação de famílias de Ílhavo, Águeda e outras localidades.


Outro aspecto da antiga Mota

O primeiro palheiro construído foi o de Luís dos Santos Barreto, seguindo-se o de Manuel da Maia Vieira (da casa de Alqueidão), sargento-mor de Ordenanças e Juiz Ordinário de Ílhavo e o de José Ferreira Félix, Tenente de Milícias e Vereador da Câmara Municipal de Ílhavo, da família Couceiro da Costa, também de Alqueidão (Lagoa nessa época). Como baliza do norte da praia firmou-se o palheiro mandado edificar por Manuel de Moura Marinho, de Viseu, que, depois, serviu de tebaida ao tribuno José Estêvão e visitada por notáveis personagens da literatura, como Eça de Queirós, Conselheiro Luís de Magalhães, Oliveira Martins, Antero de Quental, António Feijó, Alberto de Oliveira e muitos outros génios da nossa literatura. Concomitantemente vários palheiros foram construídos na Lomba da praia.


A antiga Pensão Astória

Em 1908 completou a Costa Nova do Prado 100 anos de existência e em 24 de Outubro de 1955 o primeiro centenário da integração da Costa Nova do Prado no concelho de Ílhavo. O ilhavense Manuel Ferreira da Cunha esclareceu que na margem direita da ria houve um sítio na Gafanha chamado Prado, dando origem à denominação completa desta formosa praia.


Prof. António Maria Lopes


Ao Sul junto à ria ( 1908)

O tio Ricoca, um dos mais arrojados pescadores da Costa Nova, destemido e valente como poucos, foi um dia convidado pelo Arcebispo Pereira Bilhano, para o ir ajudar a tomar banho no mar. O caso tornou-se conhecido na praia e logo uns e outros começaram a pedir ao tio Ricoca igual serviço. Foi assim que nasceu um dos primeiros banheiros de profissão na Costa Nova. Seguiram-se o tio João do Grande, tio Galante e o tio Joaquim Rico, todos boas pessoas e com goelas para tragarem quantos copinhos de aguardente os banhistas lhes ofereciam no decorrer do banho, inda que fossem um quarteirão deles.

Dinis Gomes, 4 de Agosto de 1935



Festa da Srª da Saúde em 1907

Curiosidades:

  • Em 1935 havia duas Companhas na Costa Nova: Nossa Senhora da Saúde e Santo Amaro

  • Entre as duas margens da ria havia 8 barcas de passagem que faziam o trajecto de meia em meia hora e levando $20 por passageiro, com a fiscalização rigorosa do cabo de mar; depois das 21 horas o serviço era considerado extraordinário passando a pagar cada passageiro 2$00 se fosse sozinho e 1$00 se fosse acompanhado



Os palheiros (1907)


Festa da Srª da Saúde de 1947

Próximo

Dos Black Shadows ao Jakarandá