Temas

Musica Ilhavo Recreativo Ilhavo Antigo Ilhavenses Ilustres Lugares Curiosidades Carnaval Costa Nova Religiao Illiabum Colegio Bombeiros de Ílhavo Jornais Jazz Radio
João Marques Ramalheira
In "Canção do Mar"
Falar de Ílhavo, é falar do mar - do seu sussurro, da sua canção cujo eco se repercute pelos séculos além. Ílhavo e o mar andam tão unidos como o perfume às rosas e a inquietação à alma humana!

Anterior

O Chio-Pó-Pó/Carnaval

Músicos Ilhavenses de outrora I


MÚSICOS COMPOSITORES ILHAVENSES I

Pretende-se deixar aqui algumas notas biográficas de compositores musicais Ilhavenses já desaparecidos e que contribuíram para a divulgação da música e da sua terra.

João da Rocha Carolla

Berardo Pinto Camelo

José Cardoso Pereira

José dos Santos Vidal




 

João da Rocha Carolla (1845-1916)

João da Rocha Carolla nasceu em Ílhavo a 9 de Setembro de 1845. Fez parte do elenco da peça “Camões do Rocio”, levada à cena em 6 de Fevereiro de 1876, juntamente com outros ilhavenses, Manuel Eduardo Pereira, Rosa Gomes, João da Conceição Barreto, na inauguração do antigo Teatro Recreio Artístico, que fazia gaveto com as ruas João de Deus e Serpa Pinto (antiga loja dos Vizinhos).

Exercia a profissão de escrivão no tribunal de Aveiro, mas a sua grande paixão, era, sem dúvida, a música, ensinando o solfejo e música a muitos jovens ilhavenses desses tempos.

João Veríssimo Carolla e José Carolla, seus filhos, continuaram as pisadas de seu pai, tornando-se muito conhecidos como clarinetistas e solistas (juntamente com Palmiro Peixe e outros), nas missas cantadas e celebrações da Semana Santa, que naquelas alturas enchiam os nossos templos.

"Estamos a vê-los, alinhados nos degraus, ao lado Diniz Gomes, Marcos Catarino, Guilhermino Ramalheira, João Chaço, Resende, António Carlos Fragoso, puxando os arcos dos seus violinos, mestre Guilherme no rabecão, José Maria Caçana no barítono, Alexandre de Oliveira no trombone, António de Oliveira e José Curado no cornetim e Joaquim Capeloa na flauta, cantores ao longe entoando os papéis, enquanto o povo, lá em baixo, boquiaberto, ouvia as lições ou os solos da linda música de João Carolla" (Jornal O Ilhavense).

Compositor por excelência de música sacra, esteve intimamente ligado à Música Velha, dirigindo a sua orquestra na época em que Dinis Gomes era o maestro desta tão inolvidável banda.

Em 31 de Janeiro de 1937, Dinis Gomes presta-lhe uma honrosa homenagem no Jornal O Ilhavense, referindo-se, desta forma, àquele que foi um dos seus músicos predilectos: ”João Carolla, foi, incontestavelmente, um apreciável e distinto musicógrafo de grande e fecunda inspiração, podendo abordar todas as gamas da arte divina por excelência, tendo, no entanto, uma acentuada predilecção pelas composições sacras, podendo enfileirar, sem desprimor, ao lado dos mestres como Badoni, Pinho, Valério e outros”.

Legou o seu espólio musical, cerca de 100 partituras, ao Museu Marítimo de Ílhavo, do qual fazem parte, entre outras:


·        8 Avé Marias (composições musicais muito tocadas naquele tempo)

·        11 Credos a 3 vozes

·        5 Fantasias

·        14 Missas (uma das quais dedicada ao Senhor Jesus dos Navegantes)

·        4 Tantum Ergo

·        14 Lições de Quarta, Quinta e Sexta Feira Santas

·        5 Marchas Fúnebres

·        Valsa “Os Encantos da Minha Terra Natal” composta em 12 de Maio de 1878, certamente a partitura mais antiga que temos, de compositores Ilhavenses


Por altura da passagem do 125º Aniversário da fundação da Filarmónica Ilhavense, o Prof. Guilhermino Ramalheira, contava a seguinte passagem curiosa de João Carolla: “Certo dia executava-se na nossa igreja matriz, uma festa de grande brilho, uma missa solene, daquelas que o nosso povo tanto gostava de ouvir e apreciar. Numa passagem delicada da mesma, o executante flautista, esqueceu-se dos acidentes fixos da clave e estava a dar, continuamente, si natural, em vez de si bemol, como devia ser. Mestre João Carolla, que era um homem nervoso e tinha um ouvido de rara sensibilidade, ia sofrendo com impaciência, aqueles sinistros crimes melódicos, mas a certa altura, perturbado e irritado com tão monstruosa desafinação, enquanto os executantes e as vozes lá iam fazendo o seu barulho, começou a gritar, embora abafado pelo conjunto orquestral, deste modo diabólico: si bemolzinho, seu estipôrzinho, si bemolzinho, seu estipôrzinho...”

João Carolla faleceu em Ílhavo a 31 de Janeiro de 1916, tendo a sua sepultura gravada uma lira, simbolizando toda a sua paixão pela música.

Foi com muito agrado que nas comemorações do Dia Mundial da Música de 2001 e numa organização da Câmara Municipal de Ílhavo, em que também esteve presente a neta de João Carolla, Maria Sofia, entretanto já falecida, pudemos ouvir algumas das composições do mestre, pelas mãos do Paulo Lemos, grande entusiasta destas pequenas grandes coisas e também um excelente compositor musical.


Início


Berardo Pinto Camelo (1866-1943)


Não sendo um músico nascido em Ílhavo, Berardo Pinto Camelo esteve intimamente ligado a esta terra dirigindo durante alguns anos a Banda da Fábrica da Vista Alegre e compondo todas as músicas da revista "A Nossa Escola".


A Flor de Liz, programa de rádio semanal da Escola Profissional de Agricultura de Vagos, aproveitando o facto de no dia 28 de Janeiro de 2003, passarem precisamente 60 anos sobre a morte de Berardo Pinto Camelo, não quis deixar de assinalar esta data, dando a conhecer aos mais novos, e a recordar aos mais antigos, um dos Vaguenses que mais se notabilizou na música, no final do século dezanove e princípios do século vinte e com grandes ligações a Ílhavo como veremos mais à frente.


Em 1866 nasce em Vagos aquele que viria a ser uma das figuras mais emblemáticas do panorama musical Vaguense: Berardo Pinto Camelo. Gerado no meio de uma família de músicos, mestre Berardo, como carinhosamente era tratado, começa muito cedo a tomar contacto com o meio musical e aos 5 anos de idade já vai encavalitado no bombo para as romarias da região. Aprende as suas primeiras notas musicais com seu tio Luís José Pinto Camelo Coelho (regente da Banda Vaguense por alturas de 1880) e Joaquim Trindade, ambos de Vagos. Seu pai tinha alguns conhecimentos musicais e sua mãe era uma grande apaixonada por esta arte. Seus irmãos Benjamim (regente da Banda Vaguense depois de seu irmão) e José Maria (exímio flautista) atingiram, também, grande notoriedade como músicos.

Berardo Pinto Camelo estreou-se em público, tocando flautim com 9 anos de idade, em 1875, no dia 1 de Janeiro na missa da Formiga. Mas foi com o cornetim que ele atingiu o auge como executante, sendo considerado, na época, o 1º cornetim do distrito de Aveiro.

Como músico completo que foi, Berardo Pinto Camelo assume, então, outras responsabilidades a nível musical e que o tornaram muito conhecido não só nesta região, como também um pouco por todo o país: composição e regência de bandas.

Como maestro, começou a reger a banda Vaguense com apenas 15 anos de idade, passando depois pelas bandas da Vista-Alegre, Bombeiros Voluntários de Ílhavo (interino), Anadia, Música Nova de Mira (um dos seus fundadores) e dirigiu várias orquestras que abrilhantavam as muitas festas, bailes, revistas e serões daquela época.

A valsa «Os Sonhos» e umas variações de barítono a que deu o nome de «O Amor do Homem» foram as primeiras produções de mestre Berardo.

O saudoso Dr. Frederico de Moura dizia de Pinto Camelo: “Por um triz que não morria de batuta na mão e pode dizer-se que viveu uma vida inteira de infusão em música. ”

Berardo Pinto Camelo possuidor duma invulgar cultura musical foi durante muitos anos a alma da Banda Vaguense. Numerosas gerações de executantes, tiveram-no por Mestre e a sua entrega foi indiscutível, nunca levando um centavo pelas aulas ministradas. Foi, no entanto, na Banda da Fábrica da Vista Alegre que conheceu um período áureo, efectuando inúmeros concertos por esse país fora e rivalizando com as melhores filarmónicas desse tempo

Em Junho de 1922 sofre um grande desgosto com a morte de seu filho Reinaldo que não resistiu a um tiro disparado por um aspirante de finanças, em Vagos. Mesmo assim, compõe propositadamente a marcha fúnebre «Dor de Alma» que a Banda da Vista Alegre executa durante o funeral de seu filho.

Em 1933 musicou e dirigiu a orquestra da revista infantil «A Nossa Escola» do saudoso Prof. José Pereira Teles, estreada a 8 de Dezembro no Teatro Municipal de Ílhavo, em Cimo de Vila, num total de 40 números, dos quais se destacaram, entre outros, «Ceifeiras», «Sol e Estrelas», «Macaca», «Sineta», «Dança de Roda», etc. Esta revista foi um estrondoso êxito para a época, tendo havido mais de trinta representações em várias localidades do país. Esta orquestra era composta pelos seguintes músicos: violinos (João Marques Ramalheira, Alexandre Gravato e Narciso Gravato); Flauta (Duarte Gravato); Cornetim (José Vidal); Clarinete (Gumersindo Gonçalves); Saxofones (João Neves e António Palhetas); Trombones (José Graça e Joaquim Pinto); Rabecão (Júlio da Silva); Bateria (Henrique Rato e Armindo Pimentel). Existem ainda todas as partituras originais desta revista, escritas manualmente e a lápis por mestre Berardo.

“Quando em 1933 escrevi a «Nossa Escola», vi-me e desejei-me para arranjar quem a musicasse. Até que um dia fui de abalada até à vila de Vagos, e aí, na terra dos artistas e dos grandes apaixonados da Música, fui bater à porta do maestro Berardo Pinto Camelo, regente da Banda da Fábrica da Vista-Alegre. O que o saudoso amigo produziu apreciam-no, melhor do que eu, os que sabem Música. Eu fiquei encantado e ouvi em várias terras, os melhores elogios à produção e aos executantes da Orquestra, que eram, em grande parte, elementos de Vagos. “ (Prof. J. Pereira Teles no Centenário da Banda Vaguense - Dez. 1960)

Em Dezembro de 1934 o Prof. José Pereira Teles, os meninos e meninas da «Nossa Escola» prestam uma honrosa homenagem a Berardo Pinto Camelo no Teatro Municipal de Ílhavo, espectacularmente ornamentado com colgaduras de seda e damasco, sendo-lhe oferecido pela comére Néné Sacramento Simões e em nome de toda a equipa, um tinteiro, uma pena, uma pasta com monograma de ouro e uma batuta de pau-preto com incrustações em prata. Eram os anos trinta, uma época de ouro das revistas infantis das Escolas Primárias de Ílhavo com as representações da Galeota, Papas e Bolos e Nossa Escola.

Em 1938 fundou em Vagos um «grupo de palmo e meio» a que deu o nome de Grupo Maestro Pinto Camelo, indo ao Porto inaugurar o teatro infantil do Palácio de Cristal, com uma assistência de milhares de pessoas e recebendo fortes aplausos. Este grupo costumava finalizar os seus espectáculos com o «Auto da Romaria» uma apoteose à Nossa Senhora de Vagos.

Para o Ilhavense Dr. Samuel Maia musicou, além de outras, as obras teatrais «O Regedor das Palhoças» e «Promessa à Virgem», levadas à cena várias vezes no Teatro da Fábrica da Vista Alegre, obtendo a última, um grandioso sucesso.

Em 1943 o Vaguense João Carlos da Silva organiza uma orquestra a que dá o nome de Orquestra Pinto Camelo, homenageando o já saudoso maestro e composta exclusivamente por músicos de Vagos, a maior parte dos quais oriundos da Escola de mestre Berardo. Chegou a ser considerada um dos conjuntos artísticos mais perfeitos do distrito de Aveiro.

Compositor fluente, Berardo Pinto Camelo deixou um vasto espólio de partituras musicais de todos os géneros e que ainda hoje algumas se encontram dispersas por particulares e pelas Bandas Vaguense, Vista Alegre, Bombeiros Voluntários de Ílhavo e outras. Destacam-se vários ordinários, Avé Marias, marchas de concerto, rapsódias, responsórios de 6ª Feira Santa, marchas fúnebres, marchas graves, valsas, passo dobles, música sacra (para a qual sempre revelou um especial temperamento), sinfonias, dobrados, fantasias, polkas, mazurcas, maxixes, pás de quatre, etc...

“Mestre Berardo tinha alma de artista! Escrevia naturalmente versando os motivos simples que ficam para sempre na alma do povo. Nas suas criações há um perfume de simplicidade que nos delicia” (Prof. Guilhermino Ramalheira no Centenário da Banda Vaguense - Dez. 1960).

Em 21 de Abril de 1945, dois anos depois da sua morte, o Centro de Educação e Recreio de Vagos presta-lhe uma homenagem a título póstumo, tendo-se procedido, no final, ao descerramento duma fotografia do homenageado na Sala de Leitura do Centro.

Em Agosto de 1995 a Câmara Municipal de Vagos reconhecendo todo o valor deste insigne Vaguense, atribui-lhe o seu nome à rua que passa junto ao Estádio de futebol.

Valores como Berardo Pinto Camelo nunca poderão ser esquecidos, sob pena de estarmos a adulterar a história musical da nossa região e a de Vagos em particular.

Já agora, permitam-nos um pequeno pedido. Que as bandas que mantêm no seu espólio partituras de mestre Berardo, possam, uma vez por outra, colocar na estante uma das diversas obras que ele nos deixou.

 Pode ser que mestre Berardo as possa escutar...


Caricatura de Manuel Machado da Graça

Adaptação de 2 entrevistas de Berardo Pinto Camelo aos jornais «O Ilhavense» e «Beira-Mar», respectivamente em 27-06-1926 e 26-06-1926

Quando na tarde daquele dia, entrámos o portão da Fábrica da Vista-Alegre, ainda tudo estava em plena laboração. A esguia chaminé vermelha lançava no espaço densos rolos de fumo que a aragem subtil ia desfazendo.

Grande azáfama ia por ali, àquela hora: dos lados da estância subiam vagonetas pejadas de lenha que entravam na casaria dos fornos; grupos de raparigas conduzindo enormes tabuleiros de louça branca, da “escolha” para o “armazém do branco” e para a secção de vendas.

Agora são operários conduzindo grandes tábuas de louça fosca dos “Chacotes” para o vidrado. Depois, perpassam aceleradamente, empregados do escritório, chefes de secções encarregados de oficina, operários, etc., mas tudo num movimento activo de grande disciplina, de quem dá ordens ou tem ordens a cumprir.

Havíamos percorrido algumas oficinas daquele magnifico estabelecimento fabril, quando o agudo apito da máquina deu o sinal da paralisação do trabalho. Eram seis horas da tarde.

Uma multidão formiga agora de todos os lados, em direcção à porta da saída. São cerca de 500 operários que ali buscam o sustento em troca do seu trabalho honesto. É por assim dizer uma colmeia colossal, na tarefa bendita de perfazerem o favo que é o pão de cada dia! Naqueles rostos onde branqueja o pó alvo de gesso e feldspato, nota-se bem o génio, a índole civilizadora do trabalho.

Na Vista-Alegre há uma azáfama de festa, um bulício que revela alegria. No largo, trabalha-se já na confecção dos pavilhões: um, enorme, onde tocarão perto de 300 executantes sob a regência do maestro do 24.

Há uns olhos lindos, logo à saída do largo, uns olhos tristes que nos fitam num sorriso. À nossa pergunta, a demoiselle gentil responde solícita: O Sr. Berardo? Ali, procurem naquela casa.

O maestro Sr. Berardo Pinto Camelo avista-nos de longe e vem-nos apertar a mão amiga.

- Viemos entrevistá-lo. Queremos duas palavras suas, visto que a sua música vai completar o 1º centenário.

- Ora essa. Faça favor. Aliás, deixe-me ter essa vaidade, sempre tive grande prazer em falar de assuntos musicais.

O maestro levou-nos até à sua residência, ainda atravancada por inúmeros instrumentos da Banda, que havia regressado de madrugada daquele dia, duma festa em Sandim. São o bombo, pratos, caixa, cornetins, clarinetes, trompetes, contrabaixos, papéis de música, etc. tudo num desalinho que agrada, que diz bem com a modéstia e sem cerimónia do apreciável maestro.

- ¿Então as festas?

- As festas? A maior festa, creiam, está dentro das nossas almas! Uma festa bem legítima e bem sentida. São cem anos! Cem anos de lutas, de esforços, de desilusões e de triunfos.

- De triunfos, disse...

- Certamente. Que seria dos que trabalham com sacrifício por uma ideia, por uma causa ou por uma colectividade, se não fossem os bons momentos de triunfo, o triunfo que se colhe dum esforço continuado.

- ¿Sr. Berardo, como foram os seus princípios como músico?

- Aos cinco anos já eu era levado sobre o bombo e ia para as romarias... Aprendi música com meu tio Luís Pinto e Joaquim Trindade, ambos de Vagos. Luís Pinto era um grande mestre e Joaquim Trindade era também músico de muito valor. Meu pai, embora não fosse grande músico, também tinha alguns conhecimentos dessa arte e ensinava-me o que sabia; minha mãe era uma grande apaixonada por música. De forma que, sendo meus irmãos Benjamim e José Maria, também músicos, pode dizer-se que éramos uma família de músicos...

- ¿E qual o instrumento que tocou primeiro?

- Tive sempre grande queda para o flautim e foi com esse instrumento que me estreei em público. Mais tarde dediquei-me ao cornetim.

- ¿E que idade tinha então?

- Nove anos, apenas. Foi em 1875. Recordo-me que nessa altura já eu cantava «baixo» e fiz a minha estreia no dia 1º de Janeiro desse ano, na missa da Formiga...

- Dizem que o maestro chegou a ser o primeiro cornetim do distrito!!!

- Favores... Sei que produzi maravilhas nesse instrumento de sopro e a prova está aqui nesta cicatriz que tenho no frontal. Isto foi na praia de Mira. As músicas «Velha» e «Nova» daquele concelho, ambas me disputavam para tocar, dada a minha fama como 1º cornetim. Tive de ceder para um dos lados. Escolhi aquela de que era ensaiador. A música antagonista e os seus afeiçoados não se conformaram com a minha resolução. Desata-se um grande sarilho e eu apanhei com um martelo aqui neste sítio.

Devem calcular a minha atrapalhação, se lhes disser que minha mulher se encontrava em Mira e que nesse dia havia dado à luz a minha filha Ilda...

- ¿E diga-nos maestro, não sentiu, desde pequenino, uma certa vocação para a Arte?

- Oh! Certamente. E lembro-lhes um caso interessante da minha meninice. Era em casa do prior Ascenso, de Vagos. Existia lá um piano, mas não permitiam que pessoa alguma estranha lhe tocasse. Que faço eu?

Um dia, apanhando descuidado o velho prior, copiei o teclado e fui para casa estudar piano, visto que tinha bem de ouvido, as notas do teclado.

Daí a dias, visitei o velho prior e toda a gente se admirou de me ver tocar no difícil instrumento.

- ¿E qual foi a sua primeira produção?

- A valsa «Os Sonhos» e depois umas variações de barítono a que pus o nome de «O Amor do Homem».

Meu pobre filho Reinaldo, quando era pequenino, sem saber música, solfejava-me já um lindo ordinário da sua lavra, que depois eu apanhei, dando-lhe o seu próprio nome.

- ¿E mais obras suas?

- Escrevi muitas produções. Ave-Marias, Valsas, Rapsódias, etc. Mas escrevi duas obras em que pus toda a minha alma: as marchas fúnebres «Memórias de Minha Mãe» e «Dor de Alma». Esta foi tocada no enterro de meu filho...

- ¿E diga-nos maestro. Não compôs também algumas produções para as obras teatrais do Dr. Samuel Maia?

- Compus, sim. Musiquei o «Regedor das Palhoças» e a «Promessa à Virgem», além de outras. A «Promessa à Virgem», sobretudo, obteve um grande sucesso.

- ¿E que impressões lhe deixou o Dr. Samuel Maia, como artista?

- Era um grande artista e um apaixonado pela música! Fui com ele algumas vezes ao Porto ouvir concertos. Aqui tivemos ocasião de ouvir o grande violinista Kubelik e a famosa orquestra austríaca de J. Strauss.

- ¿E quando seria que a Banda esteve no período áureo da sua florescência?

- No tempo da regência do maestro Rosa, inquestionavelmente. Era um grande regente e um excelente mestre para o ensino, o saudoso Rosa. Havia artistas admiráveis como não tornaram mais a aparecer.

- ¿Nunca mais?

- Nunca. Músicos completos. Executantes admiráveis.

- Mas este progresso de agora...

- É um progresso fictício, mentiroso.

- ¿ E nomes desse tempo?

- Ah! Mas recordá-los é sentir na alma uma bem dolorosa amargura... Uma amargura sem lenitivo: José Maria Sarabando, músico distinto em qualquer parte; José Maria da Silva, cornetim soberbo e músico consciente; Cipriano, barítono dos melhores do distrito, do seu tempo; António Padeiro, clarinete extraordinário e outros...

- ¿Há quantos anos rege o maestro Berardo?

- Há 21 anos. Antes disso já havia dirigido a banda algumas vezes, por doença do Rosa.

- A Banda conquistou, de certo, grandes triunfos por esse país fora!

- Sem dúvida. Sobretudo na sua ida a Lisboa, quando do casamento de D. Carlos e no grande certame no Palácio de Cristal, no Porto.

- ¿E que outras terras tem ela visitado?

- Já foram tantas... Deixe-me recordar... Foi já tocar a Leiria, Ovar, Feira, Oliveira de Azeméis, Âncora, Anadia, Oliveira de Frades, Cúria, Pocariça, Mira, Águeda, Lousada, Valongo, Oliveira do Bairro e muitas outras.

- ¿Qual a festa que melhor o impressionou, durante a sua regência, até hoje?

- A última que fiz. Impressionou-me a lealdade do meu colega e amigo António Lé, de Aveiro, sim senhor. Pode registá-lo. Já agora deixe-me contar uma passagem muito curiosa que aconteceu em Setembro de 1920, na festa da Senhora da Saúde, na Costa Nova. O ti Fradoca contratou para esta festa a nossa banda e a banda da Patela, de Aveiro, regida pelo Lé. A ornamentação da praia, nesse ano, fora feita a capricho, dirigida pelo Sr. José de Pinho. E o fogo, do melhor que se tem atiçado, fora adquirido ao Sr. José Parracho. Os forasteiros eram aos milhares. As barcas de passagem e os carros, despejavam na praia multidões enormes que iam assistir ao confronto das duas bandas. Às 22 horas dão entrada nos pavilhões os componentes das duas músicas e nós os dois. A banda da Patela dá início ao concerto, pois era a ele que competia abrir, visto ser a sua orquestra que tocava na missa da festa. Rompe com o dobrado espanhol «O Galito», tão apreciado pelas multidões. Nós respondemos com o dobrado «Portugal» de minha autoria. Eles tocam «El Batel» e nós avançamos com «La Boheme». A Patela põe na estante «A Cavalaria Rusticana» que é executada sem regência e nós respondemos com «Raymon» sem regência e com as luzes apagadas. Foi o fim do mundo! Agitam-se os cacetes, há gritos e assobios e, dentro em pouco, era uma tal desordem no arraial, que os paus da ornamentação foram deitados abaixo, as mulheres andavam em correrias loucas e no meio do largo onde estavam os coretos, a desordem tomava proporções de uma revolução. José Parracho para abafar os gritos dos feridos, atirava ao ar dezenas de foguetes de dinamite. Os mais calmos pediam ordem e retiravam do meio da zaragata os seus amigos. As barcas de passagem transportavam, à força de varas, os mais tímidos, para o lado da Gafanha. E enquanto estas cenas se desenrolavam, eu e o Lé, amigos de infância, que sempre nos estimámos, saboreávamos, pacatamente, em casa do Zé das Hortas, duas chávenas de café e sorríamos à tresloucada paixão dos nossos admiradores. Cena parecida passou-se em Agosto na Lavandeira por altura da festa de Nossa Senhora do Pilar e também com estas duas bandas. Coloco na estante a «Revoltosa» e deixo executar sem regência, tal era a confiança que tinha nos meus homens. Aquilo redundou em grossa pancadaria e terminou com a intervenção das autoridades, que, para lhe por termo, tiveram de aprisionar alguns esquentados amantes, depois do que lá continuou a festa, não sem que algumas cabeças partidas tivessem de ser curadas na farmácia de Sosa.

- ¿E em que terra teve a Banda da sua regência, maior aplauso?

- Em Âncora, no Minho, a cuja festa tinham ido pregar o Dr. Meireles, o Padre Farinha e o Abade de Chousal. Deles próprios recebi felicitações pela maneira como a Banda se comportou na missa e no arraial.

- ¿E quais são os autores da predilecção do maestro?

- Wagner é o meu predilecto; Rieuze e a Marcha de Tanauser, são duas produções simplesmente colossais, que põem à prova uma Banda de música e que nós executamos hoje com facilidade.

Gosto também imenso dos novos compositores russos. Vou meter em ensaios a Cavalgada das Balkirias e a grande peça 1812.

- ¿E do seu passado?

Nos meus tempos áureos de executante fui um dia tocar em Travassô. Depois de ter executado uns dobles em que recebi uma ovação estrondosa, alguém me preveniu de que uma mulher se abrigava por detrás de mim a chorar.

Voltei-me. Era minha mãe que tinha ido ali para me ouvir e que chorava de alegria. Podem calcular o que essa cena me impressionou....

- ¿É regente há muitos anos?

- Há 45 anos. Aos 15 anos comecei a reger a música de Vagos.

- ¿E sobre a música infantil que o maestro anda preparando, quais os seus projectos e as suas esperanças?

- A música infantil é o reforço da Banda. A rapaziada toca só composições minhas. Tenciono manter sempre uma e outra, visto que ambas se completam.

- O maestro tem tido como antagonistas algumas Bandas de reputação!?

- Toquei com muitas Bandas civis e militares.

- ¿E qual foi a que mais o afrontou?

- A de Fafe, que é uma Banda completa, num concerto em Avintes.

- ¿Que reportório tocou a Banda?

- «Aeronauta» de Caldeira, «Fausta», de Donizetti, «Guilherme Tell», de Rossini, «Sansão e Dalila», de Saint Saens, «Boheme», de Puccini, etc.

- ¿Qual a peça que mais marcou?

- Falaram-me da «Fausta» de Donizetti, mas o que bateu o record foi o «Desilusão», pois que até já cantavam pelo arraial, tanto lá como em S. Pedro do Sul.

- ¿A banda ressentiu-se das noitadas anteriores?

- Isso sim! A minha impressão é que quanto mais se toca, melhor se afina!...

- ¿Que peças tocou a banda de Fafe, que façam parte do reportório da Vista-Alegre?

- O «Guarani» e o «Raymon» que já tocámos de cor na Costa-Nova, lembra-se?...

- ¿Na banda de Fafe que músicos superiores reconheceu?

- São todos bons, mas sente-se a falta dum belíssimo cornetim que faleceu.

- ¿E estava boa a banda?

- Nota-se um visível desequilíbrio entre a «palheta» e os «metais»... Estes encobrem aquela.

- ¿Tem bom regente?

- O regente pode saber muito, mas... mostra um grande acanhamento a reger...

- ¿Como se manifestou a multidão?

- O povo não se manifesta em Avintes. Ouve com atenção e guarda... Mas fui surpreendido com uma salva de palmas ao terminarmos a «Boheme». Olhei para agradecer e vi que eram músicos da Guarda e dos Bombeiros Voluntários do Porto, que ali se encontravam para fazer a missa da festa. Essa manifestação foi o desiderato...

- ¿A que se devem os resultados dos triunfos obtidos pela banda da Fábrica?

- Aos muitos ensaios destes últimos tempos e à claríssima justeza entre a «palheta» e os «metais». Dizia alguém no arraial: a banda da Vista-Alegre, parece uma orquestra!...

- Um sucesso em toda a linha...

- Não tenha dúvidas. Já agora deixe-me contar um episódio curioso desta nossa ida a Avintes. Mr. Body convidou-me para ir de automóvel até à estação de Aveiro. As camionetas tinham já partido com todos os músicos. Chegámos à estação, mas o comboio já tinha largado. O auto mete veloz para agarrar o comboio em Cacia, mas em vão. Resolvemos partir para Estarreja e ali esperar pelo comboio. Impossível! Quando lá chegámos fecharam-se as cancelas e o comboio deslizou daí a momentos, serenamente! Ainda tentámos ir a Ovar, mas houve tantos empecilhos, que não foi possível agarrá-lo! Só um recurso nos restava: seguir de automóvel até Avintes! Quando lá chegámos, fomos alvo de uma manifestação.

- ¿E diga-nos, maestro, da parte dos directores da Fábrica tem encontrado sempre as melhores facilidades para bem cumprir o seu trabalho?

- Sempre. Tanto dos antigos, como dos actuais. Daqueles, lembro o nome sempre saudoso do Sr. Duarte Pinto Basto, que era um grande amigo da música. Posso dizer-lhe que não torna a aparecer um homem com tamanha dedicação pela música, como ele. Para entrar na fábrica, dava a preferência absoluta aos músicos. Premiava os aprendizes, estimulava-os.

- Contam-se coisas extraordinárias desse homem...

- E autênticas. Certo dia aparecem aqui uns homens para justar a música para a Murtosa. Dissemos-lhes, com desgosto, que não podíamos ir, pois tínhamos de fazer a festividade da Vista-Alegre. Era impossível. Mandámos chamar o Sr. Duarte e expusemos-lhe a nossa contrariedade, tanto maior quanto sabíamos que na Murtosa tocariam músicas de nomeada com que gostaríamos de nos defrontar. O Sr. Duarte resolveu tudo de pronto: justem a festa e adiamos a nossa! Foi um trabalhão! A iluminação, o pregador, etc. já estavam faladas. Mas a festa fez-se.

Outra; eu, no tempo do Sr. Martins Rosa, por doença, andei muito tempo a tocar só nas festas de responsabilidade. Foi mal interpretado o meu procedimento e, certo dia, o Rosa e a comissão de então, para uma festa importante, não me nomearam, pretendendo, assim, castigar-me. A banda já tinha partido para o comboio. Casualmente, apareceu o Sr. Duarte na minha repartição e vendo-me, exclamou: então não foste à festa? Contei-lhe tudo e ordenou logo: vai já preparar-te. E mandou-me um carro que, propositadamente, me levou à estação.

- ¿ E o Sr. Duarte sabia música?

- (rindo) O Sr. Duarte nem sabia sequer assobiar o Hino da Carta!...

- ¿Este Centenário é o seu maior orgulho, não é verdade?

- Se lhe parece! Cem anos para uma banda de música representam qualquer coisa de notável. Eu nutro pela música de que sou regente, um verdadeiro carinho paternal. Calculem, portanto, a minha alegria ao vê-la festejar as bodas do seu centenário, cujos alicerces foram lançados por essa veneranda figura que todos respeitamos e que se chamou José Ferreira Pinto Basto.

- ¿E qual o hino que vão tocar?

- Tem cem anos! Foi composto em 1826! Vejam, está aqui. Tocar-se-à, tal qual o encontrámos. É interessante. Evocaremos a execução e a composição de há cem anos.

- ¿E a sua impressão sobre a homenagem que vêem prestar-lhes as outras bandas amigas?

- Prova de simpatia e amizade, essa, que eu jamais esqueço. Pouco durarei, mas...morrendo depois deste centenário, morrerei feliz.


"Numa tarde, de passagem para Sosa, encontrei Mestre Berardo defronte da sua residência, contemplando a bela e inconfundível paisagem que dali se desfruta.

Estava triste e adoentado... Conversámos... Uma tarde de quietude, propícia a sonhos e a recordações. Falámos, animadamente, do belo recorte da paisagem. A ria espreguiçando-se voluptuosamente entre a mancha viva da verdura e, lá ao longe, a silhueta dos pinheiros desvanecidos, como um apontamento sumido. Interessava-lhe tudo aquilo sobremaneira. Conheci nele uma nova faceta, o que não me surpreendeu. Quase todos os artistas são atraídos pelas belezas da Natureza.

A certa altura, quedou-se num silêncio profundo que não me atrevi a perturbar. E, enquanto os nossos olhos se deleitavam naquele quadro ribeirinho que é um encantamento, mestre Berardo num sorriso pálido e indeciso, falou da morte – o eterno problema da vida, sempre palpitante e transcendente, que tanto preocupa os grandes espíritos.

Vi-o preocupado e triste, mas aventurei-me a dizer-lhe que deveria ser uma felicidade morrer ali, naquela santa paz, ouvindo a melodia dos pinheiros da outra margem e o sussurro, em eco subtil, da ria poética, correndo sempre ao seu destino...

Sorriu tristemente e não me deu resposta...

Pouco tempo depois a notícia da sua morte chegava até mim. E recordei então, em saudosa evocação, aquela tarde serena em que os nossos olhos se perderam na contemplação da eloquente paisagem que limitava a sua residência".(Prof. Guilhermino Ramalheira no Centenário da Banda Vaguense - Dez. 1960)

Berardo Pinto Camelo, funcionário da fábrica de porcelanas da Vista Alegre, faleceu precisamente a 28 de Janeiro de 1943, com 77 anos de idade, encontrando-se sepultado no cemitério de Vagos. No seu funeral, a Banda Vaguense e a Banda da Vista Alegre, tocaram, alternadamente, obras de sua autoria.

Algumas músicas compostas por Berardo Pinto Camelo no início do Séc. XX

"Aida" valsa composta para o baile da Mikareme de 1916


 "A Salita" Polka


 "Duas Palavras" Pas de Patineurs escrita em 17-04-1918
 

"Ester" Polka
 

"Maria d'Ascensão" Mazurka escrita em 1916
 

"Pas de Patineurs"
 

"Zara" Pas de Sonatre
 



Início

José Cardoso Pereira (1899-1980)


Em 14 de Setembro de 1899 nasceu na Vista-Alegre este ilhavense pouco conhecido das lides musicais, mas que no seu tempo deixou marcas indeléveis nesta Arte Divina. O canto coral foi sempre uma arte que o seduziu e a vinda à Vista-Alegre do Orfeão de Valadares entusiasmou-o de vez. Dizia J. Cardoso Pereira que o canto traduzia instrução, moralidade e educação. Em 18 de Agosto de 1931 convida por meio de uma circular, os rapazes que julgou poderem fazer parte do grupo coral e de Outubro a Dezembro desse ano fez os ensaios dos 1ºs naipes. Por motivos particulares suspende os ensaios só os retomando em Abril de 1932. O orfeão começou com 52 pessoas e com facilidade atingiu as 86, sendo algumas delas, músicos da Banda da Vista-Alegre, que assim auxiliavam os restantes com dificuldades musicais. J. Cardoso Pereira chegou a afirmar, com modéstia, que não teria competência para estar à frente do orfeão, pois poderia dar uma interpretação errada a um número musical e isso seria um escândalo, o que, na verdade, nunca aconteceu, pois conduziu sempre o seu orfeão com competência e mestria. O reportório escolhido era quase todo de autores portugueses, tais como A. Leça, Hermínio Nascimento e outros. Quis J. Cardoso Pereira que o orfeão tivesse o nome de Martins Rosa, artista e maestro da Banda da Vista-Alegre entre 1857 e 1907.



Orfeão Martins Rosa

Assim no dia 23 de Outubro de 1932, um domingo, pelas 21 horas tem lugar no teatro da fábrica da Vista-Alegre um sarau de arte em que faz a sua premiére o Orfeão Martins Rosa, sob a direcção de José Cardoso Pereira e abrilhantado pelo oiteto do Orfeão. A apresentação é feita pelo Prof. Guilhermino Ramalheira sendo executados os seguintes números:


COMPOSIÇÕES

AUTORES

Hino do Orfeão João Teles e Armando da Silva
Romeiros que Passam A. Leça
Canção da Lousã J. Arroio
Hino à Noite Beethowen
Luar do Sertão C. Ramos
Portugal é Lindo A. Leça
Chant des Halleurs Russes ?
Zé Pereira H. Nascimento
Canção dos Marinheiros H. Nascimento
Cantos Populares J.Cardoso Pereira (arranjo)


Como simples curiosidade os preços dos bilhetes de ingresso eram de 3$00 para a plateia e 12$00 camarotes de 4 lugares. A casa estava completamente à cunha e muitas pessoas não assistiram ao espectáculo por se terem esgotado os bilhetes. A certo passo da sua apresentação, refere Guilhermino Ramalheira:"...Oitenta vozes, oitenta almas procurando atingir o infinito da perfeição artística, exercem sobre a nossa alma uma acção decisiva. E J. Cardoso Pereira, amigo querido de infância e artista que honra o meio onde exerce a sua actividade, orientando e dando vulto ao esforço desses rapazes, mostra-nos quanto pode uma grande força de vontade aliada a um desinteresse digno de registo. Há muito que aprender no esforço desinteressado destes homens".

Como complemento do espectáculo foi representada uma peça em verso, num acto, denominada "Ao Fim do Dia", interpretada por Raul Monteiro e Carlos Pereira, dois artistas amadores. Carlos Monteiro, um dos orfeonistas fez de seguida alguns números de ilusionismo, Augusto Tavares cantou alguns fados e Esmália Machado com Viriato Franco representaram um episódio em verso "Único Amor" duma forma primorosa.

No final do sarau José Cardoso Pereira com os seus cooperadores José Estevam de Almeida, Alexandre Gravato e José Vidal, bem como todos os orfeonistas, foram largamente aplaudidos.



Projecto para a Bandeira do Orfeon- Autor Palmiro Peixe


O Orfeão continua as suas exibições até que a 6 de Agosto de 1933 a Câmara Municipal de Ílhavo, através de uma comissão da qual faziam parte, entre outros, Diniz Gomes, Dr. Vaz Craveiro, Prof. José Pereira Teles e Palmiro Peixe, para a  inauguração do monumento ao Arrais Ançã. na Costa Nova, convidam o Orfeão Martins Rosa para uma serenata nocturna, em plena ria e num barco do Sr. Abreu, que, para tal, foi devidamente preparado. Este concerto provocou o desaparecimento do Orfeão Martins Rosa, por motivos devidamente fundamentados, na época, e que abalaram profundamente o seu fundador José Cardoso Pereira.


HINO DO ORFEÃO MARTINS ROSA (1932)


                 I                                                

Cantando sempre p´la vida fora                          

O prazer segue com a mocidade

Porém mais tarde do amor de agora

Só resta o culto d´uma saudade.

                II

Cantemos pois nossa alegria

Quais trovadores dos mais leais

Pois tarde ou cedo lá surge o dia

Em que nos matam paixões fatais.

                III

Nós somos da beira mar

Soltemos nossas cantigas

Saudando o amor o luar

E as nossas lindas raparigas.

                    Letra de João Simões Teles  /  Música de Armando da Silva


José Cardoso Pereira volta a reorganizar o Orfeão da Fábrica da Vista Alegre de 1947 a 1952 tendo-o dirigido no 129º Aniversário da fundação da Empresa, num total de 100 vozes. Recebe em Junho a Medalha de Mérito Industrial.

Como apaixonado pela música J. Cardoso Pereira tinha já fundado em 1916 uma tuna composta pelos seguintes elementos: J.Cardoso Pereira, João Namorado, Guilhermino Ramalheira, Duarte d´Almeida, Manoel Sacramento, Narcizo Gravato, Hilário Barreto (violinos), Ângelo Correia (flauta), Germano da Encarnação (clarinete), José Cete (saxofone), José Sarabando, Domingos Facão, José Simões, Casimiro, Larico, Daniel, João Virgem, Fernando da Silva (violões), José Morgado, Manoel Ayres, António da Quinta, Marcos Morgado (bandolins) e Berardo Pinto Camelo e António Sá (violoncelos).

De 15 de Novembro de 1917 a 1920 faz parte de um sexteto também fundado por ele e onde também tocam Guilhermino Ramalheira, José Estevam de Almeida, Júlio da Silva, Germano da Conceição, Ângelo Correia e Narciso Gravato (músicos iniciais), Berardo Pinto Camelo e Armando da Silva. Este grupo costumava abrilhantar as sessões cinematográficas do antigo Cinema Pathé da Rua Serpa Pinto, executando um reportório selecto de vários autores, entre os quais Berardo Pinto Camelo e do próprio J. Cardoso Pereira.


Caricatura de Manuel Machado da Graça

Além de violinista, José Cardoso Pereira também era compositor, tendo feito, entre outros números:

  • Glória (1917) valsa - a sua 1ª composição 04-12-1917

  • Olímpia (1918)

  • Gratidão ("") dedicada a seus pais

  • Flores d´Outono ("") dedicada a suas irmãs

  • Homenagem a Alberto I ("")

  • Souvenir du Bal (1919)

  • Amitié ("")

  • Loin de Toi ("")

  • Souvenir d´un Ami ("") valsa dedicada a Celestino Gomes

  • Sombras do Passado (1949)

  • Solfejos d´Alma  (1919) Pas de Quatre

  • Despedida à Costa Nova ("")

  • Souvenir Polka ("")

  • Vade Retro ("") polka

  • Pas de Quatre ("")

  • Parece Mas Não É ("") mazurka

  • P´ra Que O Dei (1930) resposta ao tango "Aquele Beijo" de Duarte Gravato

  • Fado para o Teodoro

  • Fado para o Guilhermino

  • Uma Canção para os Reis de Loya (1943)

  • Tantum Ergo (música sacra)

  • Canção Religiosa (música sacra)

  • Avé Maria I ("")

  • Avé Maria II ("")

  • Saudade Eterna (orfeon)

  • Serenata Canção ("")

  • Balada ("")

  • Fado do Mar ("")

  • Indicativo ("")

Alguns temas musicais de José Cardoso Pereira

"Glória" valsa A sua primeira composição, finalizada em 4 de Dezembro de 1917

"Homenagem a Alberto I" 1918

"Gratidão" 1918 dedicada a seus pais

"Vade Retro" Polka de 1919


Antiga Casa Joana Cardoso Figueira

José Cardoso Pereira proprietário da Antiga Casa Joana Cardoso Figueira, na rua Arcebispo Pereira Bilhano, vem a falecer a 8 de Fevereiro de 1980, com 81 anos de idade.


José dos Santos Vidal (1895-1981)

José Vidal nasceu em Ílhavo a 2 de Setembro de 1895. Tal como João Carolla, foi dos musicógrafos que mais compôs para bandas filarmónicas. Mobilizado a 23 de Fevereiro de 1917, combateu em França na 1ª Guerra Mundial, só regressando a 25 de Junho de 1919. Começando por ser sapateiro (profissão de um grande número de músicos e compositores naquela época), ingressou mais tarde na fábrica de porcelanas da Vista Alegre. Muito jovem ainda, aprendeu solfejo na Música Nova, por altura do maestro Vitorino Maia, sendo o seu instrumento, o cornetim. Estudioso e perseverante, levava, sem ninguém saber, os papéis do cornetim para casa, passando horas a estudar o seu instrumento preferido. Certo dia, sendo Vitorino Maia (V.M.) maestro da Música Nova, falhou o 1º cornetim para uma festa de responsabilidade e José Vidal (J.V.), ainda muito jovem, logo se ofereceu:

(J.V.) - Quem vai tocar esses solos sou eu!

(V.M.) - Então porquê, meu menino? És capaz?

(J.V.) - Eu sou! Pode ficar descansado, mestre.

O concerto foi um êxito e aquele menino passou a ser solista de cornetim na Música Nova e em todas as outras bandas como músico convidado. Na altura já ganhava 100$00 numa noitada, enquanto os outros músicos se ficavam pelos 40 a 50$00! Já a trabalhar na Vista Alegre, J. Vidal levava sempre no bolso, o bocal do seu cornetim. Para não perder a embocadura, exercitava, castigando o lábio, pela estrada das Oliveiras fora, até à sua residência, perto do Arco da Chousa Velha, tirando as notas mais agudas (Si e Dó), à laia do violino. Um solista de sopro, tem que tocar todos os dias, pois se o lábio fica mole, as notas caem-lhe.

Como maestro esteve à frente da Banda Vaguense (de 1944 a 1954), Filarmónica Ilhavense-Música Velha (de 1957 a 1961) e Banda da Fábrica da Vista Alegre (1962 a 1967), onde também foi 1º cornetim . Foi ainda fundador, director e executante do Vista Alegre Jazz, do qual faziam parte, além de J. Vidal,  José Redondo, João Marques de Carvalho, Arnaldo Fort'Homem, Joaquim Pinto e João Susano. Ílhavo, nos anos trinta, foi fértil em grupos musicais (Jazz): além deste, animavam os bailes da época, o Rádio Jazz, Cartola Jazz, Ilhavense Jazz, Liberdade Jazz, Progresso Jazz e o grupo musical do Antigo Cinema Ideal da Rua Serpa Pinto.

Manuel Bela conta algumas passagens curiosas de J. Vidal. A primeira sobre como surgiu o nome de "Passos da Vida", uma marcha fúnebre lindíssima, comovente e que ainda há bem pouco tempo era tocada pela Música Nova, na romagem ao cemitério, nas celebrações do aniversário da Banda. J. Vidal frequentava muito a sapataria de Manuel Bela e num dia lá encontrou o seu cunhado José da Silva (J.S.), já idoso, que além de tocar cornetim, fazia manualmente as cópias das partituras para as bandas, usando um traço muito bonito e perceptível, que ainda hoje se reconhecem como suas. Ao entrar, questionou-o:

(J.V.) - Então Zé, como vai isso?

(J.S.) - São os passos da vida, Zé! São os passos da vida!...

(J.V.) - Olha, disseste uma coisa que eu vou aproveitar. Trago aqui uma marchinha fúnebre, que eu nem sei o nome que lhe havia de dar. É esse nome que vai ficar: Passos da Vida.

Nos anos 40 e 50, além da festa da N.S. da Saúde, realizavam-se, na Costa Nova,  os festejos em honra de Santo Amaro e para os quais foram ajustadas, numa dessas datas, as duas bandas de Ílhavo para abrilhantar a noitada. J. Vidal regia então a Música Velha e nesse tempo, o transporte mais usual, era a passagem de barca. Foi o que aconteceu aos músicos e J. Vidal. Terminada a noitada e na viagem de regresso, os dois barqueiros, tendo bebido uns copitos a mais, perderam o tino e deram um rumo diferente à barca, apontando as coordenadas quase para o enfiamento da Gafanha do Carmo. J. Vidal, preocupado,  lá ia chamando a atenção dos barqueiros para o rumo que iam seguindo, mas não valeu de nada, até que, naquela barafunda, a barca dá de seco bem a sul da mota da Brucha e ainda com alguma água até ser terra firme. Os barqueiros redimindo-se do erro, tiveram que levar às cavalitas J. Vidal, bem como todos os seus  músicos, um por um, até terra. A noite acabou na Brucha bebendo-se umas jeropigas e o regresso de bicicleta a Ílhavo, foi feito sem mais percalços.

José Vidal na actual zona pedonal Carlos Paião


Numa outra ocasião veio a Ílhavo dar um concerto uma banda regimental de Coimbra. José Vidal foi assistir e ao ler o programa com as peças que iriam ser executadas, reparou que lá constava um número chamado Arco Íris, de autoria do maestro da referida banda. Desconfiado, J. Vidal abeirou-se de um músico que ia afinando o seu instrumento e segredou-lhe:

- Sabe, eu sou de Ílhavo e compus uma peça chamada Arco Íris.

- E o senhor sabe cantá-la?

- Pois com certeza. Se quiser eu canto-a.....

E assim o fez. Com grande espanto o músico pôde verificar que afinal estava em presença do verdadeiro autor do Arco Íris.

(J.V.) - Então diga a esse senhor que tire o nome dele da partitura e ponha o meu, pois fui eu que compus o Arco Íris....

Veio a saber-se mais tarde que a partitura original tinha sido levada indevidamente para Coimbra e aí adulterado o nome do seu verdadeiro compositor.

José Vidal compôs muitas obras tanto para filarmónicas como para grupos musicais, destacando-se, entre outras:

  • Badi I

  • Badi II

  • Carlitos

  • Finalista

  • Mundo Diferente

  • Bodas de Ouro

  • Arco Íris

  • Passos da Vida

  • Jerusalém

  • Ordinário Sentimental

  • Nossa Pátria

  • Silêncio

  • Despertar

  • Alvorecer (peça de concerto com um final de baixos esplendoroso)

  • Trindades na Aldeia

  • Cide

  • Café Luso

  • Ruth

  • Pequeno Autor

  • Expressão Musical

  • Relâmpago

  • Vicentina

  • Doloroso Momento

  • Dor de Alma

  • Nova Esperança

  • Lacrimosa

  • Cinzas

  • Avé Maria

José dos Santos Vidal, um grande músico e compositor Ilhavense, faleceu a 26 de Agosto de 1981.






Próximo

Músicos Ilhavenses de Outrora II