Temas

Musica Ilhavo Recreativo Ilhavo Antigo Ilhavenses Ilustres Lugares Carnaval Costa Nova Curiosidades Religiao Bombeiros de Ílhavo Illiabum Colegio Jornais Ílhavo Semana Santa Ilhavo
João Marques Ramalheira
In "Canção do Mar"
Falar de Ílhavo, é falar do mar - do seu sussurro, da sua canção cujo eco se repercute pelos séculos além. Ílhavo e o mar andam tão unidos como o perfume às rosas e a inquietação à alma humana!

Anterior

Rostos de Ílhavo (IV)

Os Jazzes em Ílhavo dos anos 20/40

Temas:  #Jazz

Nos anos 20/40 começou a surgir a moda dos Jazz Band e Ílhavo não fugiu à regra. Vamos referenciar a maior parte deles!!!


Exposição dos Jazz no 6º Aniversário do Centro Cultural de Ílhavo 24-03-2014

(Foto de Fernando Martins)



Sexteto do Salão da Caridade era formado por Vitorino Mendes Maia (regente), Carlos Bilelo, Júlio de Carvalho, Ângelo Correia, José Carola e Armando da Silva. Costumava abrilhantar os saraus do Salão da Caridade.




Cartola Jazz, formado por Duarte Gravato, João Maria Neves, João Carlos Melo, Silvino da Rocha, José Graça Novo, João Baltazar e Alcino Neves. Fez a sua estreia em 11-01-1931 no Teatro Municipal de Ílhavo (Cimo de Vila) e era constituído, sobretudo, por músicos da Banda da Vista Alegre (in Jornal Beira-Mar de 31-01-1931). Começou com flauta e oboé (em alternativa), sax alto e soprano, baixo, trombone e jazz.


Ilhavense Jazz, com Jaime de Oliveira, Manuel S. Marcos, Rosalino da Perpétua, Mário Valente, Eduardo Gomes, Abílio Oliveira, Gumercindo Gonçalves, e Henrique Rato


Rádio Jazz, formado por Otelo Moreira, João Peixoto da Silva, José Cête, Mário de Matos, Carlos Simões Teles e Joaquim Pereira Teles (fundou-se em Março de 1939 num concerto efectuado no Salão Nobre dos Bombeiros durante o Carnaval)


Pic-nic em S. Jacinto em 1938


Foto de 1940 cedida por João Peixoto da Silva


Liberdade Jazz, Em actividade nos anos 20, sensivelmente, com João Valente, Guilhermino Ramalheira, Guilherme Marques, Duarte Gravato, Manuel S. Marcos, Jaime de Oliveira, Rosalino da Perpétua e Henrique Rato

Dois temas musicais do reportório do Liberdade Jazz

"Sogras"

 

"Político"

Grupo da Universidade de Aveiro


Jazz do Cinema Pathé, Cinema Ideal, Sexteto ou simplesmente do antigo Cinema da Rua Serpa Pinto, estreia-se a 15 de Novembro de 1917, com José Estevam de Almeida, Guilhermino Ramalheira, José Cardoso Pereira, Júlio da Silva, Ângelo Correia, Germano da Conceição,  e Narciso Gravato (de cima e da esquerda). Este grupo costumava abrilhantar as sessões cinematográficas do antigo Cinema Pathé da Rua Serpa Pinto, executando um reportório selecto de vários autores, entre os quais Berardo Pinto Camelo e do próprio J. Cardoso Pereira. Mais tarde chegam a tocar neste Jazz, Berardo Pinto Camelo e Armando da Silva.

Cópia do Livro de Repartes onde se pode ler a data do início do Sexteto





Progresso Jazz, com Manuel Ferreira, João Nuno, Alberto Martins, Manuel Cête, João Mariano e Plácido Silva


Vista Alegre Jazz  formado por José Vidal,  José Redondo, João Marques de Carvalho, Arnaldo Fort'Homem, Joaquim Pinto e João Susano. O primeiro Vista Alegre Jazz ter-se-à fundado em 28-09-1920, já que no Jornal Beira Mar de 27-09-1931 há uma referência ao seu 11º Aniversário.


Vista Alegre Jazz (anos 40) formado por João Vidal, José Gato, Júlio Melo, Necas Vidal, José Morgado (Padeiro), Joaquim Isaac, Mário Marzagão, Manuel da Graça e José Rocha


Vista Alegre Jazz II (anos 40)




Vista Alegre Jazz III (1952)





Vista Alegre Jazz IV (formação mais recente)




Jazz Estrela  fundado por Luís Catão Nunes, homem que tanto deu da sua sabedoria musical, na sua passagem pela Banda dos Bombeiros Voluntários de Ílhavo, Música Nova e formado por (a contar da esquerda) Luís Catão, João da Cunha, Horácio Teles, Carlos Batel, Manuel Catão, Luís Caetano (?), José Catão e José Nunes Bastião (Rigueira).


Foto gentilmente cedida por Luís Nunes


Illiabum Jazz (1926), com Evangelista Ramalheira, João Rigueira, Marcos Queijeira, Francisco S. Marcos, João Lavado, Jaime de Oliveira, José Guerra, João Teles, Júlio Carvalho, Artur Ançã e Guilhermino Ramalheira


esta publicacao nao tem imagens

Próximo

Como nos roubaram a Lâmpada